Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

luzemjulho

apontamentos

luzemjulho

apontamentos

Poesia á mesa 2013

welcome to elsinore
Entre nós e as palavras há metal fundente
entre nós e as palavras há hélices que andam
e podem dar-nos morte   violar-nos   tirar
do mais fundo de nós o mais útil segredo
entre nós e as palavras há perfis ardentes
espaços cheios de gente de costas
altas flores venenosas   portas por abrir
e escadas e ponteiros e crianças sentadas
à espera do seu tempo e do seu precipício
 
Ao longo da muralha que habitamos
há palavras de vida há palavras de morte
há palavras imensas, que esperam por nós
e outras, frágeis, que deixaram de esperar
há palavras acesas como barcos
e há palavras homens, palavras que guardam
o seu segredo e a sua posição
 
Entre nós e as palavras, surdamente,
as mãos e as paredes de Elsenor
E há palavras nocturnas palavras gemidos
palavras que nos sobem ilegíveis à boca
palavras diamantes palavras nunca escritas
palavras impossíveis de escrever
por não termos connosco cordas de violinos
nem todo o sangue do mundo nem todo o amplexo do ar
e os braços dos amantes escrevem muito alto
muito além do azul onde oxidados morrem
palavras maternais só sombra só soluço
só espasmo só amor só solidão desfeita
 
Entre nós e as palavras, os emparedados
e entre nós e as palavras, o nosso dever falar

Manuel António Pina

"As escadas"

 

Toma, este é o meu corpo, o que sobe as escadas
em direcção à tua escuridão, deixando-me,
ou a alguma coisa menos tangível,
no seu lugar.

Também elas envelheceram, as escadas,
também, como eu, desabitadas.
Anoiteceu, ao longe afastam-se passos, provavelmente os meus,
e, à nossa volta, os nossos corpos desvanecem-se como terras

estrangeiras.

 

 

“Café do molhe”

 

Perguntavas-me
(ou talvez não tenhas sido
tu, mas só a ti
naquele tempo eu ouvia)

porquê a poesia,
e não outra coisa qualquer:
a filosofia, o futebol, alguma mulher?
Eu não sabia

que a resposta estava
numa certa estrofe de
um certo poema de
Frei Luis de Léon que Poe

(acho que era Poe)
conhecia de cor,
em castelhano e tudo.
Porém se o soubesse

de pouco me teria
então servido, ou de nada.
Porque estavas inclinada
de um modo tão perfeito

sobre a mesa
e o meu coração batia
tão infundadamente no teu peito
sob a tua blusa acesa

que tudo o que soubesse não o saberia.
Hoje sei: escrevo
contra aquilo de que me lembro,
essa tarde parada, por exemplo.

 

18.11.1943 - 19.10.2012

Nelinha,Rosinha,Nanda,Paulinha...


Corpo nu sobre uma cama fria,
Janela aberta e o cantar das aves...
Um novo dia em alarde se anuncia...
Outra manhã longe da minha mania...

Anseio agora com toda a minha força,
Que em rompante o meu quarto invadas
E, sucumbindo a um desejo urgente,
Teu cheiro espalhes em minh'alcova.

Quero teu cheiro em minha tez.
Teu suco em meus pêlos e boca.
Quero te ver e te fazer louca.
Fazer-te minha de uma só vez.

Beijar-te por fora, sentir-te por dentro,
Deleitar-me com tuas quentes entranhas.
Possuir-te de formas estranhas.
Envolver-te como faria o vento.

Lamber-te os mais doces recantos,
Sorver tua saliva ardente.
Banquetear-me de teu corpo quente,
Arrancar-te os suspiros do teu canto.

Deslizar minhas mãos por teu corpo,
Coxas, ancas, seios, cabelos.
Possuir a ti com todo o meu zelo.
Enlouquecer-te de pouco em pouco.

Dançaríamos dança pregada por Nero
Dois corpos ardendo no calor mais intenso.
Paixão sem travas, paixão sem bom-senso.
Não sei onde estou, mas estou onde quero.

Tu postas de quatro qual fêmea no cio.
Te cubro! Teu corpo me faz macho, dá-me nó...
Seja o mundo eterno ou que se transforme em pó...
De fato só sei que te quero. Em verdade, preciso.

De repente se cria um desejo insano
De beber do cálice entre tuas pernas.
Tua flor desabrocha em belezas internas.
Te farei levitar.... Espera, meu Anjo!

A língua passeia por pele e dobras.
Tão perto o perfume que tua flor exala.
Teu cheiro embriaga, minha razão se abala.
És a fêmea das fêmeas. És mulher de sobra.

Te viras e deitas teu corpo no meu
Acaricias e sugas meu membro em riste.
Tão bom quanto tua boca, só uma coisa existe:
Tua flor gulosa do orgasmo no apogeu.

Por fim te acomodas sobre meu púbis faminto.
Aponto o instrumento que desliza suave.
Já não mais consigo ouvir o canto da ave.
Só me sinto invadindo delicioso labirinto.

Púbis com púbis, os pêlos se cruzam
Teu rosto está lindo, os olhos cerrados.
Meu corpo clama por ser devorado.
Me "come" e deixa que os corpos se fundam.

Põe tuas mãos em meu peito vasto
"Rebola, amor. Assim gostoso!"
"Traz do profundo o meu melhor Gozo!"
Naufraga-me em prazer, sem precisão de lastro.

E morde meu peito de forma animal
Eu quero gritar, e só faço gemer.
Teus quadris sinuosos hão de me enlouquecer.
Meu gozo está próximo, diria: fatal!

Te beijo profundo e tu tentas fugir.
Prendo teus lábios entre meus dentes.
"Não te afastes, anjo, pois tenho em mente..."
"grudado à tua boca aos céus subir!"

Tu me beijas de forma que nunca experimentei
Passagem comprada pro reino das nuvens
Provei de teu corpo do cheiro às penugens.
Te tenho, me tens. És rainha, sou rei!

No meio do encontro das bocas ensandecidas,
Um espasmo em teu sexo gatilho do prazer...
Grito abafado anuncia: Não há mais que fazer.
Teu gozo, meu gozo, nosso gozo. Vida!

Tu gemes baixinho bem perto do ouvido.
Teu cabelo cobre meu rosto, um véu sagrado
Teu suor é o banho de um novo batizado.
Dos dedos as pontas têm ido e vindo.

Ergues-te calma, a mais bela entre os humanos.
Teu rosto espelha meu olhar apaixonado.
Um último beijo e dormiremos, grudados.
Dormirei protegido... por meu anjo Rodrigueano.

Ferreira Gullar

 

Entrevista a Ferreira Gular no Ciberescritas